Descubra como funciona a mente dos serial killers,conhecidos no Brasil como assassinos em série.

Um assassino em série (as vezes conhecido pelo nome em inglês serial killer) é um tipo de criminoso de perfil psicopatológico que comete crimes com uma certa frequência, geralmente seguindo um padrão e às vezes deixando sua “assinatura”, como por exemplo coleta da pele das vítimas – no caso de Ed Gein. Curiosamente, os Estados Unidos, com menos de 5% da população mundial, produziu 84% de todos os casos conhecidos de serial killers desde 1980.

Muitos dos que foram capturados pareciam cidadãos respeitáveis – atraentes, bem sucedidos, membros ativos da comunidade – até que seus crimes foram descobertos.



Geralmente os serial killers demonstram três comportamentos durante a infância, conhecidos como a “Tríade MacDonald“: fazem xixi na cama, causam incêndios, e são cruéis com animais.

Os serial killers, diferentemente de outros assassinos, preferem matar com as mãos ou através de outros métodos que não as armas de fogo.

A melhor definição de assassinato serial foi publicada pelo Instituto Nacional de Justiça em 1988: “Uma série de dois ou mais assassinatos cometidos como eventos separados, normalmente, mas nem sempre, por um infrator atuando isolado. Os crimes podem ocorrer durante um período de tempo que varia desde horas até anos. Quase sempre o motivo é psicológico, e o comportamento do infrator e a evidência física observada nas cenas dos crimes refletiram nuanças sádicas e sexuais”.

Existem basicamente dois tipos de serial killers: os do “tipo organizado”, sujeitos que normalmente exibem inteligência normal e conseguem se inserir bem à sociedade, são muito mais difíceis de serem pegos, visto que planejam seus crimes, não costumam deixar provas e podem ter uma vida aparentemente normal com esposa/marido, filhos e emprego, muitas vezes de alto nível, podem chegar mesmo a concluir nível superior. Já os “tipo desorganizados”, são impulsivos, não planejam seus atos, costumam usar objetos que encontram no local do crime e muitas vezes os deixam para trás deixando muitas provas.

Vejam o perfil de três dos mais famosos serial killers do mundo!

Edward Theodore Gein, mais conhecido como Ed Gein (foi culpado pela morte de apenas 2 pessoas, desta maneira tecnicamente não se encaixa na definição de serial killer) e também ladrão de lápide estadunidense. Gein foi condenado pelos homicídios de duas pessoas, mas é suspeito por ter assassinado dez pessoas ao total. Os seus crimes ganharam notoriedade quando as autoridades descobriram que Gein exumava cadáveres de cemitérios locais e fazia troféus e lembranças com eles.

A historia de Ed gein teve um impacto tão grande nos Estados Unidos que dele foi inspirado muitos filmes sobre serial killers vejam alguns desses filmes.

Alguns dos mais famosos personagens assassinos do cinema tiveram alguma inspiração em Ed Gein, tais como:

Charles Milles Manson,o fundador, mentor intelectual e líder de um grupo que cometeu vários assassinatos, entre eles o da atriz Sharon Tate, esposa do diretor de cinema Roman Polanski.

Filho de uma prostituta e frequentador assíduo de reformatórios juvenis pelos crimes de falsificação e roubo, Charles Manson acabava de cumprir uma pena de dez anos, em 1964, quando formou uma comunidade estilo hippie em Spahn Ranch, perto de Los Angeles. Manson tinha idéias grandiosas e os seus seguidores, ou Família Manson como eram conhecidos, jovens homens e mulheres, consideravam-no a reencarnação de Jesus Cristo. O próprio Manson acreditava nisso e ainda dizia que os Beatles conversavam com ele através de suas canções.[1]

Em 9 de agosto de 1969, um grupo de seguidores de Manson invadiu a casa de Roman Polanski, em Cielo Drive, 10050, Bel Air, assassinando sua esposa Sharon — que estava grávida — e mais quatro amigos do casal. As vítimas foram baleadas, esfaqueadas e espancadas até a morte, e o sangue delas foi usado para escrever mensagens nas paredes. Em uma delas foi escrito Pigs (“porcos”, em inglês). Na noite seguinte, o mesmo grupo invadiu a casa de Rosemary e Leno LaBianca, matando os dois. As mensagens escritas na parede da casa com o sangue das vítimas foram “Helter Skelter“, “Death to pigs” e “Rising“. Os assassinatos de Sharon , seus amigos e do casal LaBianca pela “Família Manson”, ficaram conhecidos como o Caso Tate-LaBianca.

O objetivo dos assassinatos planejados por Charles Manson era começar uma guerra que, segundo ele, seria a maior já travada na terra, denominada de “Helter Skelter”. O nome corresponde ao título de uma música dos Beatles onde, de acordo com Manson, havia uma maior quantidade de mensagens subliminares. Uma guerra entre negros e brancos, em que os brancos seriam exterminados. Ele acreditava que algum negro logo seria acusado pelos assassinatos, o que faria com que os confrontos explodissem logo. Como ele e sua “família” eram brancos, planejavam esconder-se em um poço, denominado por Manson como poço sem fundo, em algum lugar no deserto californiano, assim que a suposta guerra começasse.

Linda Kasabian, uma das integrantes da comunidade e testemunha ocular de todos os assassinatos, semanas depois dos crimes resolveu fugir e denunciar Manson e os outros integrantes à polícia. Ela decidiu depor contra Manson em seu julgamento em troca de imunidade. Ela disse não concordar com os assassinatos, apesar de ter presenciado todos, nas duas noites em que os crimes foram cometidos. Em um acordo com o governo da Califórnia, Kasabian recebeu imunidade no caso, um novo nome para ela e sua filha, e uma pensão do governo por tempo indeterminado.

Manson, então com 37 anos, foi acusado de seis assassinatos e levado à Justiça, juntamente com ‘Tex’ Watson, Susan Atkins, Patricia Krenwinkel e Leslie Van Houten, de 19 anos . Manson alegou não ter participado pessoalmente de nenhum deles. Manson declarou durante o julgamento o seu ódio profundo pela Humanidade, chamando os membros de sua família de rejeitados pela sociedade. A promotoria se referiu a ele como “o homem mais malígno e satânico que já caminhou na face da Terra”,[1] e o quinteto foi sentenciado à morte em 1971. Mas, com a mudança nas leis penais do estado em 1972, a pena deles foi alterada para prisão perpétua. Vale lembrar que Charles Manson, em suas entrevistas ainda no corredor da morte, costumava deixar claro que sabia que não iria ser execetado.

John Wayne Gacy Jr.

Em 22 de maio o homem que conquistou o cargo de vereador (também postulado por John), Jeffrey Rignall, saiu para tomar uns drinques. Um carro cortou-lhe o caminho e se ofereceu para levar-lhe até a região dos barzinhos…

Rignall aceitou o convite sem suspeitar o que aconteceria em seguida. John Wayne Gacy atacou-lhe com clorofórmio e a seguinte imagem que Rignall viu foi John nu em sua frente exibindo uma impressionante coleção de objetos de tortura sexual. Rignall passou toda a noite aprendendo na própria carne a dolorosa teoria que seu seqüestrador ia explicando-lhe em pormenores.

À manhã seguinte, o jovem torturado e traumatizado apareceu cheio de feridas e com o fígado destroçado pelo clorofórmio diante da estátua de Lincoln Park em Chicago. Teve a sorte de ainda estar vivo. Em apenas seis anos, 33 jovens como ele viveram a mesma experiência.

O surpreendente de tudo isto, é que uma vez cumprido seu ritual enterrava os corpos no mesmo jardim de sua casa onde organizava as festas mais conhecidas do bairro. Numa ocasião chegaram a festejar ali mais de trezentas pessoas.

As pessoas saiam de sua casa comentando duas coisas: como era agradável aquele homem e o mau cheiro que exalava de seu jardim. Sua segunda esposa estava convencida de que embaixo dos encanamentos de sua casa tinha um ninho de ratos mortos. Ele assegurava que o cheiro era de uma rede de esgoto próxima dali…

Curiosidades

– A cela onde esteve Gacy ficou preso foi usada recentemente para rodar a aclamada série Prison Break.

– Jonathan Davis, vocalista da banda Korn, comprou o traje de palhaço de Gacy.

– O ex-tecladista da banda de Marilyn Manson usou parte do nome de John para sua “nova identidade”: Madonna Wayne Gacy.

– No disco Illinois, o cantor, compositor e músico norte-americano Sufjan Stevens faz uma forte referência à John com a faixa John Wayne Gacy Jr.

Iai galera deu pra conhecer mais do perfil psicológico dos serial killers?

4 Respostas to “Descubra como funciona a mente dos serial killers,conhecidos no Brasil como assassinos em série.”

  1. Ih!! eu fazia xixi na cama. uma vez eu causei um pequeno incêndio, sm querer, mas, causei e ñ gostava dos animais. isso antes!!
    será que tenho uma tendência pra ser um “serial killer”??
    rs

  2. Gostei da postagem… =)

  3. Legal o blog
    Parabéns!

  4. Muito bom, deixou com vontade de saber mais casos jajaja !!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: