Fantasmas e Casas Mal-Assombradas

Posted in Artigos, Uncategorized with tags , , , , on 17 de abril de 2011 by romulocezarfm

Fantasmas, Espíritos de vingança, Demônios e etc…

Não acredito em nada disso, mas testemunhei uma coisa “estranha” recentemente

Por isso vou fazer um post sobre “Fantasmas e Casas Mal-Assombradas”

“Os dois grandes grupos são mediunidade mental e mediunidade física….. A mediunidade mental, ou a capacidade para receber informação inexplicável através de processos ortodoxos é, de longe , a mais comum. Inclui três formas diferentes de percepção: capacidade de ouvir, capacidade de ver e capacidade de cheirar – de ouvir para “além de”, de ver para “além de”, de cheirar para “além de”. Sem dúvida que a esmagadora porcentagem das pessoas que têm capacidades psíquicas e que têm sido sujeitas a experiências psíquicas ouvem qualquer coisa que não poderiam ouvir em condições normais. Podem ouvir a voz de quem não está presente ou registrar uma impressão do inconsciente, como se ouvissem algumas palavras; seja como for, o certo é que ouvem. O vidente vê uma aparição, tem uma visão ou contata com fenômenos que funcionam como símbolos diante dos olhos do seu espírito ou mesmo objetivamente, fora de si….. Outro tipo de mediunidade, chamada “física”, é muito mais rara e complicada, de certo modo, implica às vezes em um certo risco”. “A mediunidade física implica que o corpo da pessoa (o médium) seja temporariamente utilizado por outra entidade”.

(Alan Landsburg – Fenômenos Estranhos)

Casas Assombradas.

Vou começar falando de “Amityville” que também é um dos meus filmes favoritos de terror.

A série de terror Amityville, lançada nos cinemas e em vídeos foi um grande sucesso de bilheteria, agradando em cheio aos fãs do gênero. Em síntese, o enredo aborda uma estranha casa na qual flutuam entidades demoníacas e espectros que, além de provocarem fenômenos paranormais dos mais variados e apavorantes, se apoderam das mentes das pessoas levando-as ao desatino e ao cometimento de crimes brutais.

A maioria dos fãs desse série, porém, talvez não saiba que tudo isso se baseou em um episódio terrivelmente real, ocorrido em 14 de novembro de 1974, no qual toda uma família (foto) – composta por pais e filhos – foi brutalmente assassinada por um próprio membro, precisamente um dos filhos do casal Ronald e Louise DeFeo – Ronald DeFeo Junior.

Sem quaisquer motivos lógicos, o jovem muniu-se de uma potente espingarda de caça e matou a sangue frio enquanto dormiam, um a um, seus pais e irmãos, durante uma assustadora madrugada de tempestade. (FOTO: Ogrish.com)

E sem qualquer gesto de piedade ou arrependimento, o jovem, tal como um sinistro mensageiro da morte, entrou em cada quarto da casa e atirou à queima-roupa nos demais membros da sua família, deixando um rastro de sangue, horror e destruição por onde passava. (FOTO: Ogrish.com)

E logo após essa inominável e insana selvageria, o jovem assassino calmamente tomou um banho, barbeou-se se vestiu como se nada houvesse acontecido, sem sem importar com os corpos inertes e ensangüentados dos seus familiares. (FOTO: Ogrish.com)



Especial de natal – A lenda do papai Noel

Posted in Uncategorized with tags , , , on 27 de dezembro de 2010 by romulocezarfm

Você sabia que o Papai Noel existiu e que não foi a coca-cola quem o deixou com roupas vermelhas? A lenda do Papai Noel é baseada em fatos bem sólidos, que você vai conhecer agora.

A figura de Papai Noel surgiu apenas no século XIX. Inicialmente ligada a um bispo chamado Nicolau, que nasceu na Turquia em 280 d.C. O bispo, homem de bom coração, dava presentes aos pobres e conseguiu dotes para moças casarem (uma exigência da época). Foi transformado em santo (São Nicolau) após várias pessoas relatarem milagres atribuídos a ele.

A imagem do velhinho acabou sendo explorada pelo capitalismo para o incremento de consumo que vem da troca de presentes. De qualquer maneira, os anos fixaram a festa como sendo um momento de festa em família e confraternização. Mesmo para algumas religiões que não são a Católica ou as cristãs, a data é lembrada, sem as mesmas proporções, já que Cristo é considerado um profeta para muçulmanos e espíritas.
A associação da imagem de São Nicolau ao Natal aconteceu na Alemanha e espalhou-se pelo mundo em pouco tempo. Nos Estados Unidos ganhou o nome de Santa Claus, no Brasil de Papai Noel e em Portugal de Pai Natal.

São Nicolau foi o inspirador do Papai Noel

Até o final do século XIX, o Papai Noel era representado com uma roupa de inverno na cor marrom. Porém, em 1881, uma campanha publicitária da Coca-Cola mostrou o bom velhinho com uma roupa, também de inverno, nas cores vermelha e branca (as cores do refrigerante) e com um gorro vermelho com pompom branco. A campanha publicitária fez um grande sucesso e a nova imagem do Papai Noel espalhou-se rapidamente pelo mundo. Mas na realidade, o cartunista Thomas Nast, mestre da charge politica americana já havia apresentado no Séc. XIX um Papai Noel com roupas vermelhas ao mundo.

Atualmente, a figura do Papai Noel está presente na vida das crianças de todo mundo, principalmente durantes as festas natalinas. É o bom velhinho de barbas brancas e roupa vermelha que, na véspera do Natal, traz presentes para as crianças que foram boas e se comportaram bem durante o ano. Ele habita o Pólo Norte e, com sua carroagem puxada por renas, traz a alegria para as famílias durante as festas natalinas. Como dizem: Natal sem Papai Noel não é mesma coisa.

FIM….

 

 

 

What?  Cadê as coisas bizarras? As historias macabras?

Calma pessoal ainda não acabou =)

O outro lado da historia – 5 coisas bizarras que você não sabia sobre o natal

Estamos a menos de um Mês no Natal, mas já podemos perceber o espírito Natalino tomando conta das ruas. Pensando nisso, decidi fazer um lista com algumas coisas bastante Peculiares sobre essa festa que aproxima famílias no Mundo Inteiro. Os itens presentes na lista são muito interessantes, e tenho certeza que vocês não conhecem muitas das histórias que serão apresentadas.

O Presépio de Natal

Acho que todo mundo deve saber o que é um Presépio de Natal, mas para quem não sabe, um Presépio é formado basicamente pelo menino Jesus, José, Maria, os três Reis Magos e alguns animais, porém em algumas partes de Portugal e da Espanha, existe um elemento a mais no mesmo. Tradicionalmente nesses países, é colocado junto ao presépio, um homem defecando próximo a manjedoura onde Jesus nasceu. Eu pesquisei em vários livros, mas não consegui descobrir qual seria a simbologia da tal figura de homem.

A Proibição do Natal


Do ano de 1659 ao ano de 1681, o Natal foi proibido em Massachusetts, Estados Unidos. Segundo registros da época, a proibição se deu por meio da ação dos Puritanos, que não consideravam o dia 25 de Dezembro como uma data de festividades. Eles afirmavam que não havia na Bíblia nenhuma passagem que falasse sobre as comemorações na data em questão, e que o Natal era uma criação da Igreja Católica, e por esse motivo, deveria ser proibido definitivamente. Por conta disso, em Massachusetts, o Natal foi proibido  durante 22 anos, até que em 1681, ele foi novamente liberado, por meio de um protesto realizado por algumas pessoas.

A Suposta Origem das Bolas de Natal

Antes de começar, vou logo avisando que essa história é apenas uma lenda, não existe provas concretas de que ela seja mesmo verdade. A lenda diz que o Rei Leão V estava orando sozinho frente ao altar de Santa Sofia, quando um grupo de conspiradores disfarçados de Padres, liderados por Miguel Amoriana, tentaram matar o Rei com golpes de faca. Desarmado, Leão V tentou se defender com os castiçais da capela, mas depois de 1 hora de luta, ele foi vencido pelo cansaço. Após ter derrotado o Rei, Miguel foi declarado Imperador, e ordenou a castração de Leão V e de seus quatro filho. Segundo a Lenda, essa foi a origem das bolas coloridas, colocadas nas árvores de Natal.

 

O Animal de Estimação do Papai Noel

Na Islândia, anualmente é contada para as crianças, a história do “bichinho” de estimação do Papail Noel. As Mães Islandesas dizem para seus filhos que quem se comportar bem, irá ganhar muitos presentes do Bom Velhinho, mas as crianças que fosse mal comportadas, seriam devoradas pelo Gato de estimação do Papai Noel. O mais interessante é a descrição do animal feita pelas Mães: “Ele é uma besta feroz que adora comer crianças que não obedecem seus pais. Não se deixe levar por sua aparência; ele é um lindo gatinho, mas quando se transforma, vira um monstro enorme de olhos vermelhos”. Com uma descrição dessas, qual criança não iria se comportar?

 

Doces ou Travessuras?

Todos sabem como funciona a entrega de doces no Halloween: As crianças batem nas portas das casas e falam a famosa frase “Doces ou Travessuras?”, e recebem os doces, mas na Antiga Inglaterra, na época do Natal, as coisas funcionavam de um jeito bem diferente. Os Wassailers eram um grupo de pessoas que na noite de Natal, invadiam as casas e exigiam do proprietário comida, bebida e dinheiro, e só deixavam as mesmas depois de terem levado toda a comida da despensa. Felizmente, essa é mais uma tradição que ficou perdida no tempo, assim como tantas outras.

(Fonte – Mendigo radical)

Agora sim parece um post do “Pensamento Doentio”

Valeu pessoal por lerem o blog até a proxima

By: Rômulo Cezar =)

Automatonofobia ( Medo de bonecos(as)

Posted in Uncategorized with tags , , , on 20 de novembro de 2010 by romulocezarfm

Fobia – Automatonofobia ( Medo de bonecos(as)

Automatonofobia caracteriza-se pela fobia (ou medo) de bonecos, ventríloquos, estátuas de cera e criaturas animadas. Tudo que imite um ser vivo. Ver pedofobia e pupafobia.

A automatonofobia é mais comum do que muitos pensam e são só crianças que sentem esse medo, também existem adultos com esses sintomas. Como eu, não tenho vergonha de falar sobre isso realmente não me sinto a vontade perto de uma boneca (o).

A verdade é que toda criança já virou algum boneco pra parede na hora de dormir, se escondeu atrás do sofá para ver se eles conversavam entre si quando estavam sozinhos, jogou fora aquele mais assustador ou teve um pesadelo no qual era ameaçado ou manipulado por um simples boneco.
O Medo de bonecos é tão comum que muitos filmes de terror abordam o tema…

São tantos os medos de bonecos que vamos falar de alguns casos principais, se vocês gostarem podemos falar mais depois.

Bonecas antigas de porcelana que a sua avó tem no quarto, essas são super assustadoras

Quem nunca teve vontade de jogar todas elas fora??

 

 

 

 

 

O favorito do mundo.

“Na noite de 9 de novembro de 1988, Charles Lee Ray, conhecido como o “Estrangulador de Lakeshore”, está sendo perseguido pelo Detetive Mike Norris. O criminoso é fatalmente atingido no coração por um tiro do policial ao se esconder em uma loja de brinquedos, mas antes de morrer utiliza seus conhecimentos de voodoo e transfere sua alma para um boneco.”
Assim foi dado ínicio a história do boneco mais famoso do cinema. Chucky que assustava as crianças com a sua perseguição por Andy na tentativa de transferir sua alma para um corpo de verdade se transformou em uma espécie de clássico. Todos já assistiram a esse filme que rendeu 4 continuações. É certo que tanto “A Noiva de Chucky” quanto “O Filho de Chucky” estão mais para comédia do que terror, mais os fãs desse lendário boneco continuarão assistindo seus filmes mesmo assim, afinal ele é o “pedaço de plástico” mais temível de todos.
Mais Chucky não fez sucesso apenas nos cinemas, ele tem bonecos e até um tenis lançado pela Rebook.

Curiosidade: Você sabia que Charles Lee Ray, o nome completo do personagen Chucky, deriva dos nomes dos assassinos notórios Charles Manson, Lee Harvey Oswald e James Earl Ray?

Ventriloquismo.


Antigamente a prática do ventriloquismo era associada à feitiçaria e muitos acreditavam que o boneco estava possuído por algum tipo de espírito.
Festas de crianças sempre tem ventrilocos, e meio a toda aquela gente convidada sempre tem um que levanta e corre pro colo da mãe com medo do boneco, enquanto outros ficam fascinados por acharem que ele realmente fala e se movimenta sozinho. Tudo bem que hoje em dia existem bonecas que até fazem xixi e escovam os dentes, mais o boneco-ventríloco tem toda uma “magia” que prende aos que assistem acreditando assim que ele realmente está vivo.
Um bom exemplo de filme que fala sobre esse tipo de boneco é “Gritos Mortais”, dos mesmo criadores de “Jogos Mortais” ele conta da história de Mary Shaw, uma famosa ventriloca que acusada da morte de um garoto foi perseguida pelos moradores que cortaram sua língua, mataram-na e a enterraram com as “suas crianças”, uma coleção de bonecas Vaudeville feitas à mão, desde então, Ravens Fair foi amaldiçoada.

Lendas.

Na década de 80 no Brasil o boneco da Xuxa e do Fofão ganharam lendas assustadoras, e o MEDO aumentava porque alguns jornais confirmavam as crenças…

Xuxa.

Não é de hj que acreditam que a Xuxa fez pacto com o Demo pra conseguir tamanho sucesso que ela teve na década de 80. Daí também sai a história que a boneca da Xuxa tinha uma macumba pra vender mais.
A Historia piorou quando uma mãe contou aos jornais que sua filha tinha sido assassinada por uma boneca da Xuxa. Ela deixou a menina no quarto com a boneca e quando foi no quarto colocar a filha pra dormir ela estava morta com uma faca e com a boneca no colo dela.

 

 

 

 

Fofão.

O Fofão em si já é uma figura assustadora, aquele ser deformado metade humano metade cachorro era um tanto bizarro. Coincidência ou não quando o boneco do fofão foi lançado tinha o mesmo tamanho e as mesmas roupas do Chucky o brinquedo assassino, e saiu mais ou menos na mesma época do filme. Assim não é difícil imaginar quanta gente já não tinha medo dele por ai.
O MEDO aumentou quando algum jornal informou que o boneco do fofão tinha uma magia negra e como prova falou que tinha um punhal dentro de todos os bonecos do fofão.
O punhal realmente tinha a duvida fica é se tinha magia negra ou não ?…

 

 

 

É isso ai pessoal tomem cuidado com os bunecos eles estão em toda parte ((O_O))

Obrigado mais uma vez por lerem meu blog e voltem sempre =)

By: Rômulo Cezar.

O que é Nazismo?

Posted in Artigos, Uncategorized, Vídeos with tags , , , on 28 de outubro de 2010 by romulocezarfm

Nazismo

Pensamento doentio. Hoje vou falar de um dos maiores pensamentos doentios que já existiu, o “Nazismo” Em nome dessa idéia uma nação se curvou em frente a um homem. De onde ela veio? O que havia nela que fascinava as pessoas? E qual é a chance de que aconteça novamente? Hoje vi um filme que se chama “A Outra Historia Americana” ótimo filme, Trata da historia de um ex-neonazista arrependido do que fez, que tenta impedir que seu irmão mais novo repita os seus erros. Uma ótima historia que retrata, muito bem que pessoas que estão perdidas, sem rumo, e desesperadas são facilmente influenciadas. O Nazismo nasceu assim Adolf Hitler chegou a uma nação que tava abeira do abismo, e implantou uma idéia, a idéia que eles eram superiores, que eram melhores, quem o resto do mundo era lixo, que uma raça poderia dominar o mundo.

Como nasceu o Nazismo

A 1ª idéia: o carimbo da ciência

Como uma pessoa comum pode conviver com sua consciência após assassinar inocentes? A resposta: fica mais fácil dormir à noite quando se acredita que seus atos trarão o bem à humanidade. Hitler convenceu os alemães – e muitos estrangeiros – de que, após o massacre, nasceria um mundo melhor. Isso pode soar absurdo hoje, mas era um fato aceito pela ciência da época. “O Holocausto não ocorreu no vácuo. Ele seguiu décadas de crescente aceitação científica à desigualdade entre os homens”, diz o alemão Henry Friedlander, historiador e autor de The Origins of Nazi Genocide (“As Origens do Genocídio Nazista”, sem versão brasileira). Friedlander se refere a um conceito nascido no século 19 nas melhores universidades: a eugenia. A eugenia surgiu sob o impacto da publicação, em 1859, de um livro que mudaria para sempre o pensamento ocidental: A Origem das Espécies, de Charles Darwin. Darwin mostrou que as espécies não são imutáveis, mas evoluem gradualmente a partir de um antepassado comum à medida que os indivíduos mais aptos vivem mais e deixam mais descendentes. Pela primeira vez, o destino do mundo estava nas mãos da natureza, e não nas de Deus. Darwin restringiu sua teoria ao mundo natural, mas outros pensadores a adaptaram – de um jeito meio torto – às sociedades humanas. O mais destacado entre eles foi o matemático inglês Francis Galton, primo de Darwin. Em 1865, ele postulou que a hereditariedade transmitia características mentais – o que faz sentido. Mas algumas idéias de Galton eram bem mais esquisitas. Por exemplo, ele dizia que, se os membros das melhores famílias se casassem com parceiros escolhidos, poderiam gerar uma raça de homens mais capazes. A partir das palavras gregas para “bem” e “nascer”, Galton criou o termo “eugenia” para batizar essa nova teoria. Galton se inspirou nas obras então recém-descobertas de Gregor Mendel, um monge checo morto 12 anos antes que passaria à história como fundador da genética. Ao cruzar pés de ervilhas, Mendel havia identificado características que governavam a reprodução, chamando-as de dominantes e recessivas. Quando ervilhas de casca enrugada cruzam com as de casca lisa, o descendente tende a ter casca enrugada, pois esse gene é dominante. Os eugenistas viram na genética o argumento para justificar seu racismo. Eles interpretaram as experiências de Mendel assim: casca enrugada é uma “degeneração” (hoje sabe-se que estavam errados – tratava-se apenas de uma variação genética, algo ótimo para a sobrevivência). Misturar genes bons com “degenerados”, para eles, estragaria a linhagem. Para evitar isso, só mantendo a raça “pura” – e aí eles não estavam mais falando de ervilhas. O eugenista Madison Grant, do Museu Americano de História Natural, advertia em 1916: “O cruzamento entre um branco e um índio faz um índio, entre um branco e um negro faz um negro, entre um branco e um hindu faz um hindu, entre qualquer raça européia e um judeu faz um judeu”. As idéias eugenistas fizeram sucesso entre as elites intelectuais de boa parte do Ocidente, inclusive as brasileiras. Mas houve um país em que elas se desenvolveram primeiro, e não foi a Alemanha: foram os EUA. Não tardou até que os eugenistas de lá começassem a querer transformar suas teorias em políticas públicas. “Em suas mentes, as futuras gerações dos geneticamente incapazes deveriam ser eliminadas”, diz o jornalista americano Edwin Black, autor de A Guerra contra os Fracos. A miscigenação deveria ser proibida. Programas de engenharia humana começaram a surgir, inspirados por técnicas advindas de estábulos e galinheiros. O zoólogo Charles Davenport, líder do movimento nos EUA, acreditava que os humanos poderiam ser criados e castrados como trutas e cavalos. Instituições de prestígio, como a Fundação Rockefeller e o Instituto Carnegie, doaram fundos para as pesquisas, universidades de primeira linha, como Stanford, ministraram cursos. Os eugenistas americanos ergueram escritórios de registros de “incapazes”, criaram testes de QI para justificar seu encarceramento e conseguiram que 29 estados fizessem leis para esterilizá-los. As primeiras vítimas foram pobres da Virgínia, e depois negros, judeus, mexicanos, europeus do sul, epilépticos e alcoólatras. Segundo Black, 60 mil pessoas foram esterilizadas à força nos EUA. Em seguida, países como a Suécia e a Finlândia começaram programas parecidos. Portanto, quando a Alemanha de Hitler começou a esterilizar deficientes físicos e mentais, em 1934, não estava inventando nada. Só que eles foram mais longe. “Hitler está nos vencendo em nosso próprio jogo”, indignou-se o médico americano Joseph DeJarnette, que castrava pobres. Em 1939, os alemães começaram a matar deficientes, num programa de “eutanásia forçada”. Médicos usaram o gás inseticida Zyklon B para eliminar 70 mil pessoas “indignas de viver”. O programa foi suspenso após protestos, mas serviu de ensaio para os campos de concentração, onde Zyklon B exterminaria qualquer um que ameaçasse o projeto da raça pura e a conseqüente “melhora da humanidade”. “Hitler conseguiu recrutar mais seguidores entre alemães equilibrados ao afirmar que a ciência estava a seu lado”, diz Black. “Seu vice, Rudolf Hess, dizia que o nacional-socialismo não era nada além de biologia aplicada.” Com o carimbo da ciência, ainda que meio falsificado, ficou mais fácil para gente como Julius compactuar com o absurdo nazista.

A 2ª idéia: um ódio ancestral

A eugenia forneceu a base teórica para o assassinato de ciganos, deficientes, homossexuais e outros “inferiores”. Mas por que só um povo foi marcado para o extermínio? Por que os judeus? Essa resposta é ainda mais antiga. “O primeiro anti-semitismo foi o dos romanos, que não toleravam costumes judaicos como o shabat (dia do descanso) e o culto ao Deus único”, escreveu o historiador francês Gerald Messadié em História Geral do Anti-Semitismo. Quando o Império Romano adotou o cristianismo, no século 4, a perseguição cultural e política virou religiosa. “Esquecendo-se de que Jesus foi judeu, os partidários da Igreja iriam, em nome de Jesus, cobrir os judeus de acusações”, diz Messadié. A maior delas veio em 325, quando a Igreja culpou os judeus pela morte de Cristo, uma acusação só retirada em 1965. A cristandade medieval viu crescer os mitos de que judeus eram aliados do diabo, utilizavam sangue de crianças cristãs e tramavam o domínio do mundo. Muitos judeus se converteram ao cristianismo para não terminar nas fogueiras da Inquisição. Ou seja, também nesse aspecto, o nazismo não foi novidade, como deixa claro o livro Christian Antisemitism, A History of Hate (“Anti-Semitismo Cristão, Uma História de Ódio”, sem versão no Brasil), de William Nicholls, estudioso da religião da Universidade de British Columbia, Canadá. Nicholls mostra que muitas medidas anti-semitas da lei canônica medieval são reencontradas quase palavra por palavra na jurisdição nazista dos anos 30. Tanto a obrigação do uso de uma insígnia nas roupas quanto as proibições aos cristãos de vender bens, casar ou fazer sexo com judeus já existiam em leis da Igreja do século 13. Mas o século 19 trouxe uma novidade. Antes, os judeus tinham uma saída, a conversão. Agora, com a eugenia, o anti-semitismo deixou o caráter religioso e incorporou um novo conceito: a raça. A natureza dos judeus agora era imutável e nem se converter os salvaria. Com a vitória dos nazistas e a fundação do 3° Reich, em 1933, o anti-semitismo pela primeira vez se tornou política de Estado, e a população, convencida pelos mitos medievais, não pareceu se incomodar. O historiador inglês Norman Cohn, da Universidade de Sussex, constatou isso ao ler interrogatórios de ex-membros das SS, as tropas de repressão nazistas. “O genocídio dos judeus foi motivado pela idéia de que eles eram conspiradores decididos a dominar a humanidade – uma versão secularizada da idéia de feiticeiros empregados por Satanás”, afirma Cohn no livro Conspiração Mundial dos Judeus: Mito ou Realidade?. Daniel Goldhagen, professor de Estudos Sociais e Governamentais da Universidade Harvard, ampliou a pesquisa ao estudar pessoas como Julius, que participaram do assassinato de judeus. “Movidos pelo anti-semitismo, os perpetradores acreditavam que acabar com os judeus era justo, correto e necessário.” Segundo ele, nenhum homem de Julius nem de qualquer outro batalhão foi morto ou mandado a campo de concentração por se recusar a matar judeus. Ou seja, tal ato não era considerado errado naquele lugar e naquela época. No discurso de alguns ideólogos nazistas, era uma medida sanitária. Quase como exterminar ratos.

3ª idéia: o amor à pátria A eugenia emprestou a fachada científica e o anti-semitismo forneceu a motivação, mas os nazistas não teriam feito tanto barulho sem uma 3ª idéia: o nacionalismo. Hitler seguiu as pegadas do primeiro-ministro prussiano Otto von Bismarck, que ajudou a inventar a identidade germânica e, com isso, unificou o então fragmentado país, em 1871, e fundou o 2o Reich. Assim, Bismarck venceu os franceses na Guerra Franco-Prussiana. Tinham se passado 12 anos da publicação de A Origem das Espécies e a Alemanha estava vitoriosa e cheia de entusiasmo. Aí o país se lançou ao imperialismo baseado no “darwinismo social”, declarando sua superioridade sobre os africanos e asiáticos e justificando assim seu direito de dominá-los. Mas, nos anos 30, o clima era outro: a Alemanha estava deprimida. Perdera a 1ª Guerra e naufragava na desordem, na crise econômica e na desunião. Como Bismarck, Hitler fomentou o nacionalismo. “A utopia hitleriana se baseava em 3 erres: reich (império), raum (espaço) e rasse (raça)”, diz a alemã Marlis Steinert, historiadora do Instituto de Altos Estudos Internacionais de Genebra. Segundo ela, o sonho do reich remontava à lembrança mística de Frederico Barbarossa, senhor do Sacro Império Romano-Germânico, o 1° Reich, que começou por volta de 800 e durou 1000 anos. Já as noções de espaço e raça vinham do século 19 e simbolizavam o vínculo entre a natureza, a terra e o homem, como cantavam os poetas do romantismo. Hitler queria expandir o território e dar à história alemã seu verdadeiro sentido, devolvendo ao povo seu espaço vital. Ele afirmava que traria de volta os tempos de grande potência e fundaria o 3º Reich. Não é à toa que a investida contra a União Soviética se chamou Operação Barbarossa. A trilogia dos erres se encaixou na velha ideologia volkisch (“do povo”), arraigada na Alemanha antes da chegada do nazismo. Segundo ela, um povo só floresce se todas suas partes estão saudáveis. É aí que entra a interpretação nazista do socialismo. Afinal, você já deve ter se perguntado por que o partido de Hitler (o Nacional-Socialista) tinha socialismo no nome, se era absolutamente anti-comunista. “Para Hitler, o socialismo era a ciência da prosperidade coletiva e nada tinha a ver com marxismo”, afirma Marlis. O “socialismo” dos nazistas tinha esse nome porque supostamente colocava o coletivo (social) acima do indivíduo. E qual era a principal ameaça a esse ideal nacionalista de um corpo saudável? Os judeus, por não terem um lar nacional. Aos olhos nazistas, eles formavam uma nação internacional e eram portanto mais perigosos que qualquer país estrangeiro, por corroer a Alemanha de dentro, como uma infecção. Em seus discursos, Hitler os acusava de desnacionalizar o Estado e alterar a pureza do sangue ariano para destruir o povo. Ele os chamava ora de comunistas, ora de capitalistas, mas sempre materialistas, em oposição ao idealismo germânico. “Para o pensamento hitlerista, ser socialista é também ser anti-semita porque o socialismo se opõe ao materialismo e protege a nação”, diz Marlis. Mais uma vez, gente como Julius tinha uma justificativa para matar. Na sua cabeça, era em nome da nação, do coletivo. E, para alguns, fica mais fácil tolerar a injustiça contra indivíduos quando se acredita que o objetivo final é o bem comum.

4ª idéia: a fria modernidade

O Holocausto foi executado na sociedade moderna e racional, em nosso alto estágio de civilização e no auge do desenvolvimento cultural humano. Por isso, é um problema da nossa civilização e da nossa sociedade”, diz o sociólogo polonês Zygmunt Baumann, autor de Modernidade e Holocausto. Por isso é tão difícil falar abertamente sobre o assunto. O nazismo diz respeito a nós. Auschwitz é tão ocidental e moderno quanto a calça jeans. O Holocausto foi feito ao modo moderno: racional, planejado, “cientificamente” fundamentado, especializado, burocrático, eficiente. Os genocidas obedeciam a rotinas de organização. Julius e seus homens fumavam entre os fuzilamentos, como um funcionário de escritório. Relaxavam, batiam papo e voltavam a disparar. Foi com uma solução moderna, os cartões perfurados das máquinas Hollerith da IBM, que os nazistas localizaram suas vítimas. A IBM não só forneceu máquinas, mas idealizou o sistema e prestou assessoria técnica para que tudo funcionasse nos conformes. Quando os nazistas perceberam que tiros não seriam suficientes para eliminar os 11 milhões de judeus da Europa, recorreram a outra solução moderna, as câmaras de gás, inspiradas nas mais avançadas tecnologias de dedetização. Auschwitz era uma fábrica de matar – tinha capacidade para queimar 4 756 corpos por dia em 5 crematórios. Uma grande “inovação”, se comparada aos métodos usados pelos turcos contra os armênios em 1915: fuzilamento, golpes de clavas e baionetas. A tecnologia moderna libertou o homem de séculos de domínio da natureza. Graças a ela o homem pela primeira vez acreditou que não era apenas uma “criatura de Deus”, a mercê de Seus desígnios, mas um sujeito capaz de moldar o mundo. Foi justamente o que os nazistas quiseram fazer: mudar a Terra, construir sua utopia. E pretendiam fazer isso do jeito moderno: sem questionamentos morais, em nome do “progresso”. Ainda assim, não faltaram contradições no casamento entre o nazismo e a modernidade. Hitler usou as técnicas, mas combatia as idéias modernas. Era contra os valores de igualdade, liberdade e democracia emanados pela Revolução Francesa. E, como você vai ver a seguir, quis reinstaurar a Antiguidade grega em pleno século 20.

5ª idéia: a ilusão da beleza

Este último componente do nazismo é talvez o mais chocante. Por trás da tragédia do Holocausto e da morte de 50 milhões de pessoas, estava o sonho de criar um mundo mais puro, mais harmonioso – enfim, mais belo. “O nazismo também era estética”, diz o sueco Peter Cohen, diretor do documentário Arquitetura da Destruição. “Pregava que uma nova Alemanha surgiria, mais forte e bonita, num sonho ao qual só os artistas podiam dar forma.” O 5º elemento do nazismo aflorou da personalidade de seus líderes. Joseph Goebbels, ministro da Propaganda, escrevia romances e peças teatrais e vários outros líderes nazistas eram artistas e escritores. Hitler pintava aquarelas. Com o amigo de infância August Kubizek, ele escreveu uma ópera seguindo uma idéia do compositor Richard Wagner, expoente do romantismo alemão e da escola volkisch. A trama se passa na Roma medieval e o protagonista é um tal Rienzi, um plebeu que tenta restabelecer a Antiguidade. O führer parecia decidido a encarnar Rienzi na vida real. Seria ele o artista-príncipe que anunciaria a nova civilização clássica, inspirada na Grécia e em Roma. Tanto que o ditador era também diretor, cenógrafo e protagonista dos comícios nazistas. Ele mesmo desenhou as bandeiras, os estandartes, os uniformes e a temível insígnia da suástica. Quando a guerra começou, ele mandou artistas ao front para pintar as glórias do exército e ordenou a confecção de esculturas gigantescas inspiradas no ideal grego de beleza. Uma dessas esculturas era dele próprio e seria colocada no centro de Berlim, planejada para ser a cidade mais grandiosa do mundo, capital da futura civilização. Hitler tinha uma idéia peculiar sobre arte. Assim como os arianos eram a raça pura, os clássicos eram a arte pura. E a arte moderna seria a equivalente dos judeus (e das ervilhas enrugadas): degenerada. As fileiras nazistas estavam cheias de artistas, mas a classe profissional mais numerosa no partido era a dos médicos. Tanto uns como outros tinham um sonho em comum: uma sociedade mais “harmônica” e, conseqüentemente, mais “saudável”. Na vida real, Hitler só encenou o 1º ato de sua ópera. Projetou sua megalômana Berlim e desenhou os esboços de prédios monumentais para várias cidades alemãs. A morte de todos os judeus faria parte desse projeto estético de um mundo mais harmonioso. Felizmente, não deu tempo de terminar nem as obras nem o extermínio. Em 1941 ele percebeu que não venceria. Quanto mais perto da derrota, mais intensificava o genocídio – convencido de que o esforço valeria a pena se pudesse deixar para a posteridade um mundo sem judeus. Apesar da necessidade de logística na guerra, os trens davam prioridade ao transporte de prisioneiros para os campos. “Para Hitler a perda da guerra não significava o fim do nazismo, pois a queda do 3º Reich influenciaria as futuras gerações”, diz Cohen. “O país se reergueria das ruínas. Da derrota total, brotaria uma nova semente.”

Idéias que fizeram Hitler criar seu conceito!

1859 – Charles Darwin Publica A Origem das Espécies, em que defende a seleção natural.

1866 – Gregor Mendel Identifica as características dominantes e recessivas.

1869 – Francis Galton Diz que a hereditariedade transmite qualidades mentais. Galton não queria eliminar os indesejáveis, mas incentivar a procriação dos desejáveis. Daí a idéia ser conhecida como “eugenia positiva”.

1876 – Cesare Lombroso Relaciona traços físicos com propensão ao crime e afirma que alguns bandidos nascem para o mal. Com isso, alimenta o ódio racial.

1880 – Alfred Ploetz O socialista alemão vai aos EUA e se impressiona com as idéias de Galton. Na volta, funda a Sociedade para Higiene Racial, a estréia da eugenia na Alemanha.

1911 – Charles Davenport Líder dos eugenistas americanos, considera a inferioridade um traço dominante. É pioneiro da “eugenia negativa”, cujo objetivo era eliminar os “incapazes”.

1921 – Eugen Fischer, Erwin Baur e Fritz Lenz Publicam O Ensino da Hereditariedade Humana e da Higiene Racial, livro de cabeceira de Hitler na cadeia, em 1924.

1925 – Adolf Hitler Em Mein Kampf (“Minha Luta”), escrito na cadeia, afirma que só humanos com traços hereditários valiosos devem procriar – os judeus estão fora.

Ótimo vídeo feito pela folha de SP falando sobre Hitler vejam.

“Como diz no vídeo: É possível falar um monte de mentiras dizendo apenas a verdade”

Sou negro com orgulho, mais isso não me importa, se fosse branco, amarelo, vermelho ia ser a mesma coisa, pra mim todo mundo e igual.

Nesse post falei sobre nazismo mais maioria do que escrevi foi tirada de uma pesquisa, Agora vou falar o que penso e sinto sobre tudo isso. Preconceito não! As pessoas que entram para o Nazismo são dignas de pena, pois são pessoas facilmente influenciadas. Julgar uma pessoa apenas pelo fato dela não ser de sua raça religião e etc…

Realmente e digno de pena, A minha cor não me torna melhor ou pior que você, só me torna uma pessoa diferente, Viva as diferenças e respeite o próximo, e isso que acredito.

Obrigado mais uma vez por lerem meu blog e voltem sempre =) By: Rômulo Cezar

Segredos e lendas do “ROCK”

Posted in Artigos, Uncategorized with tags , , , , , , on 20 de outubro de 2010 by romulocezarfm


Boatos e rumores sempre foram um atrativo para que as pessoas comuns se interessem pelas celebridades. O mundo do rock, entretanto, possui historias que ultrapassam essa barreira e se misturam de tal maneira na vida real que foram verdadeiros mitos e lendas que fascinam os fãs e também os interessados pelo assunto.

Brian Jones (1º guitarrista dos Rolling Stones) morre afogado em sua própria piscina em 1969. Janis Joplin morre de overdose em 1970, Jimi Hendrix morre engasgado com vômito após consumo de barbitúricos, Jim Morrison morre misteriosamente em sua própria banheira, Kurt Cobain (Nirvana) dá um tiro em sua própria cabeça, Elvis Presley foi encontrado morto em um dos banheiros de sua casa em 1977 e Paul McCartney? Faleceu a mais de 30 anos? Quem seria o Paul McCartney da atualidade? .
Alguns dizem que Jim Morrison era um agente da CIA, outros que a morte de Elvis Presley e Kurt Cobain, foi umaconspiração. Mas baseados em quais fatos poderemos tirar essas conclusões?

 

Robert Johnson vendeu sua alma ao demônio?

O maior bluesman, O avô do rock, A jovem lenda do blues acreditava ter se encontrado com Satanás às margens do Mississipi, onde vendeu sua alma em troca de impressionantes habilidades com o violão. Os criadores do mito sustentam essa teoria com base na faixa de Johnson de 1937 “Me and the Devil Blues”. Na realidade Johnson se tornou uma lenda da guitarra em seus poucos 27 anos de vida, graças a uma boa prática e trabalho duro.

Elvis Presley esta morto?
Elvis foi um dos maiores sucessos do Rock’ n Roll, prestigiado como um Deus pelas garotas. Ganhou fortunas com suas músicas sempre nas paradas de sucesso nas rádios.Sua família tentou esconder da imprensa a verdadeira causa de sua morte. A estagiaria do Jornal nova-iorquino “Caroline” filha de John F. Kennedy, assistiu o velório e descreveu com detalhes o mesmo em um artigo para a Revista Rolling Stone, disse que Elvis estava inchado e que não parecia ser ele. Depois de quase 30 anos de sua morte, muitos ainda não acreditam que o Rei do Rock realmente faleceu. Alguns comentam que tudo foi uma grande conspiração, pois Elvis cansou de sua carreira e decidiu viver em paz, mudando de identidade e de país. A possível causa de sua morte foi de doença cardíaca e ingestão excessiva de medicamentos.

Será que o rei do Rock ainda está vivo?

Jim Morrison realmente morreu?

Com certeza Jim Morrison foi um dos principais artistas da história dos Estados Unidos. Suas letras com uma mistura de poesia com o lado obscuro da experiência humana ainda permanecem incomparáveis. Morrison era uma pessoa imprevisível e fascinada pela literatura, adorava a liberdade e expressava a mesma em suas canções e shows. Morrison adorava desafiar as autoridades, foi preso durante um concerto no dia 09 de Dezembro de 1967 e durante um concerto em Miami, Flórida no dia 01 de Março de 1969 acusado de profanação. Sua liberdade de expressão fez com que conseguisse milhares de fãs e “inimigos”. No dia 3 de Julho de 1971, Morrison foi encontrado morto em sua banheira em Paris, ele tinha apenas 27 anos de idade. Por motivos desconhecidos ou talvez fugindo de algo, 4 meses antes de sua morte, Morrison mudou-se para Paris com sua esposa. Alguns dizem que Morrison pretendia continuar a sua vida com tranqüilidade como um escritor, algo um pouco difícil de acreditar segundo a sua maneira de viver. Antes de sua morte, no dia 02 de Julho em uma sexta-feira, Morrison foi ao cinema a noite com sua esposa Pam. Já no sábado no dia 3 de Julho, foi encontrado morto por sua esposa às 5h da manhã. Muitos acusaram sua esposa Pamela de ter assassinado Morrison, o motivo das acusações foram devido aos dois se separarem e voltarem diversas vezes. Uma grande hipótese da mentira em sua morte, é o fato de apenas 2 pessoas terem visto o corpo de Morrison, sua esposa Pamela e o médico Francês que passou o laudo médico. Antes de notificarem a embaixada Americana em Paris, o seu caixão foi selado. Muitas pessoas, amigos e a mídia, só foram avisadas depois do seu enterro, algo realmente muito estranho.

Seria uma conspiração a sua morte? Morrison teria criado tudo isso para fugir das sentenças judiciais? Será que Morrison era tão perseguido pela polícia, apenas por expressar a sua liberdade?

“Entre as coisas conhecidas e as coisas desconhecidas existem as portas”.
Jim Morrison

Quem é esse Paul McCartney?
O famoso Beatles “Paul McCartney” foi muito comentado depois de ser lançada a capa do disco “Abbey Road” – de 1969 dos Beatles.
Dizem que a capa do disco simboliza a procissão do enterro de Paul (2º da esquerda para a direita, terno cinza) Harisson de jeans seria o coveiro, Paul “como já foi citado” seria o falecido, Ringo “de preto” seria o agente funerário e John “de branco” o padre. Reparem que Paul é o único dos 4 que está descalço, lembrando que alguns costumes ingleses é de enterrar seus mortos descalços. Seria essa capa uma mensagem subliminar, tentando mostrar o funeral do integrante dos Beatles “Paul MacCartney”? Se realmente Paul faleceu, quem seria este agora dizendo ser Paul MacCartney? A capa do disco “Abbey Road” teria sido apenas um jogo da mídia? Se realmente Paul faleceu, qual teria sido o verdadeiro motivo? Teriam continuado com a banda apenas para não acabarem com a popularidade da mesma?

Jimmy Page é um satanista?

Jimmy Page é um colecionador de livros de ocultismo e parafernália relacionada. Ele era um seguidor de Aleister Crowley, um famoso ocultista inglês (e talvez satanista, veja o tópico a seguir) ao ponto de comprar um castelo que havia sido a residência de Crowley. Ele e a banda afirmam que não são satanistas e não há motivos para crer nisto.

Os rumores porém dizem que a banda vendeu suas almas a Satã em troca de poder, fama, saude, etc, e que Jones foi o único a recusar. Os vários desastres ocorridos com a banda servem para confirmar esta teoria. De qualquer forma não há nenhuma evidência sobre isso. Uma das provas do pacto satânico da banda seriam as mensagens que se ouviriam ao tocar ao inverso a música “Stairway to Heaven” e em muitas outras musicas.

Estes astros são conhecidos não apenas pelo talento singular, mas pelas carreiras marcadas na historia de rock ‘n’ roll. Além da ótima produção musical que a maior parte das pessoas conhece, existem também histórias incríveis, fatos inexplicáveis e teorias conspiratórias doas mais diversos tipos que despertam a curiosidade não apenas dos fãs mais fervorosos, mas de tosas as pessoas que se interessem por historias inusitadas e que geram todos os tipos de especulações.

Paul McCartney está morto? Robert Johnson fez pacto com o diabo?

Neste post, tentei fornecer detalhes a respeito desses outros fatos envolvendo astros do rock, o que fará com que você leitor se divirta e solte a imaginação com tantas histórias envolvendo seus maiores ídolos.

 

 

Obrigado mais uma vez por lerem meu blog e voltem sempre =)

By: Rômulo Cezar

Mundo Subliminar!

Posted in Artigos, Uncategorized with tags , , , , on 9 de setembro de 2010 by romulocezarfm

MENSAGEM SUBLIMINAR.

A primeira experiência com mensagem subliminar no cinema oficialmente ocorreu em 1956. Este fato veio a

público por meio de uma publicação no jornal ‘Sunday Times’ de Londres, em 10 de junho de 1956, através

de seu correspondente em Nova York.

Jim Vicary instalou em um cinema de Nova Jersey um segundo projetor, que tem capacidade para projetar

imagens com a velocidade de 1/3.000 de segundos, ou seja, totalmente imperceptível conscientemente aos

olhos humanos.

Este aparelho projetou as frases ‘Eat Popcorn’ e ‘Drink Coke’ respectivamente, sobre a tela, durante a

projeção do filme “Picnic”, com Kim Novac (‘Férias de Amor’ no Brasil). Observou-se um aumento

considerável de vendas dos dois produtos.

A experiência se repetiu novamente poucos dias depois, e os dados oficialmente `computados registraram

que a mensagem escondida e percebida inconscientemente “Beba Coca” provocou um aumento das

vendas do refrigerante da ordem de 57,7 % e “Coma pipoca” da ordem de 18,10 % no consumo de pipocas.

Alguns autores e pesquisadores nesta área tem se confundido ao classificar a experiência de Vicary como a

de ”inserção de imagens” usada pela Disney nos desenhos animados. Esta técnica consiste em inserir ou

‘esconder’ uma imagem a cada 24 quadros por segundo, que é o mínimo que o olho humano precisa para

ter noção do movimento.

A técnica de se inserir mensagens comerciais dissimuladas de produtos no cinema e televisão é

comumente chamada de ‘merchandising’ (lê-se: merchandáising). A técnica não é nada recente. Na década

de 30 o cinema americano já se utilizava deste artificio para cobrir parte ou até a totalidade dos custos de

produção.

No Brasil, desde o tempo da ‘Cinédia’ ou ‘Atlântida’ vários produtos eram anunciados nas cenas das

chanchadas em troca de ajuda financeira para cobertura de despejas nas filmagens. (vide revista Marketingjul/

87) O cinema tem sido responsável também pelo crescente aumento da delinqüência e violência juvenil.

De acordo com Luiz Gondim, psiquiatra, há uma indefinição, uma imaturidade própria da idade. Na falta de

um referencial, os jovens imitam os personagens de Van Damme, Stallone, entre outros, dos filmes

violentos. A mídia é responsável por esta geração violenta.

Os personagens das novelas são sempre mau caráter. São estes valores que crianças e jovens estão

recebendo. O que você vê nos Shoppings são mães imitando a moda da programação da TV, com as filhas

vestidas a caráter.

A psicóloga Loren Bisk, que lida com assuntos religiosos, diz que ‘estamos diante de uma conhecida revolta

de adolescentes, movidos por radicalismos. Segundo ela, o fundamentalismo religioso explica o satanismo

infantil, comum aos criminosos.

Há vinte anos atrás, o filme “O Exorcista” viria revolucionar todo conceito sobre suspense, terror, medo e

sadomasoquismo já levados às telas. Como explicar que até as cenas silenciosas pudessem causar um

suspense tão palpitante?

Por que cenas de possessão e exorcismo tão reais como nunca vistas antes, foram tão imitadas ou

copiadas por dezenas de outros filmes que o sucederam? Deveria haver algo por trás, algo que não vemos,

manipulando o subconsciente.

Segundo W.B.Key, o produtor deste filme admitiu publicamente que ele continha ‘mensagens subliminares’

violentas e assustadoras.

E o que dizer do “Silencio dos Inocentes”, filme produzido pela Orion, estúdio as portas da falência e que ,

com um investimento ínfimo se comparado as superproduções de Spielberg, consegue arrebatar o “Oscar”

de melhor filme, melhor diretor, melhor ator, melhor atriz e melhor roteiro adaptado?

E na nossa sociedade, como explicar a crescente dissolução das famílias, a rebelião contra a sociedade e

as leis, o distanciamento cada vez maior de uma formação religiosa, as tatuagens e marcas cada vez mais

presentes nos jovens e adolescentes *quase sempre figurando simbologias ocultistas?

Como explicar o interesse compulsivo em por violência que Cresce a cada dia, como ouve aqui mesmo na nossa cidade um grupo de jovens que mataram uma garota no cemitério com uma cruz? E a mudança cada vez mais nítida de

comportamento psicossocial como depressão, medo, insônia, imoralidade, explosões de ira, pesadelos e

calafrios, queda acentuada no comportamento e aproveitamento escolar?

E o aumento assustador nos índices de homicídios e suicídios entre jovens e adolescentes? Sim, havia e há

muita coisa por trás de tudo isto, algo que escapa do nosso controle consciente: as Mensagens

Subliminares.

O que é uma mensagem subliminar?

Qual é sua origem?

Qual o objetivo de uma mensagem subliminar?

Como funciona uma mensagem subliminar?

Onde estão as mensagens subliminares?

Muitas perguntas mais leiam esse post que vocês terão as respostas =)

O que é uma mensagem subliminar?

A Mensagem Subliminar é dotada de uma arte a mais. A arte da persuasão inconsciente. Ela trabalha com o

subconsciente das pessoas. Dá-se o nome de mensagem ou propaganda subliminar toda aquela

mensagem que é transmitida em um baixo nível de percepção, tanto auditiva quanto visual. Embora não

possamos identificar esta absorção da informação, o nosso subconsciente capta-a e ela é assimilada sem

nenhuma barreira consciente, e aceitamos-a como se tivéssemos sido hipnotizados. Por definição,

subliminares são as mensagens que nos são enviadas dissimuladamente, ocultas, abaixo dos limites da

nossa percepção consciente e que vão influenciar nossas escolhas, atitudes, motivar a tomada de decisões

posteriores. Subliminares são mensagens que entram na nossa mente de contrabando, como um vírus de

computador que fica inerte, latente, e só é ativado na hora certa.

Subliminar é qualquer estímulo produzido abaixo do limiar da consciência, e que produz efeitos na atividade

psíquica ou mental. As mensagens ou propagandas subliminares são veiculadas nos mais diversos canais

de comunicação como TV, cinema, radio, historias em quadrinhos, revistas, RPG, fliperamas, vídeo games,

músicas, informática, teatro, jornais, outdoors, embalagens, bonecas, vitrines, etc. Este tipo de propaganda

fere as normas do bom senso e do livre arbítrio, pois não nos dá opção de escolha, seja na compra de um

produto, uma filosofia ou ideal político.

Qual é sua origem?

O registro escrito mais antigo sobre influência subconsciente, que se conhece está escrito no livro de

Gênesis, escrito por Moisés (primeiro livro da Bíblia), onde lemos a história entre Jacó e seu tio Labão.

Jacó, após trabalhar vários anos de graça para ele, faz um acordo aparentemente inviável e totalmente

favorável a seu tio, No contrato constava que toda cria do rebanho sob seus cuidados que nascesse

listrada, salpicada e malhada seria sua como forma de salário e todas de peles lisas continuariam de Labão.

Dada a dificuldade de ocorrerem estes casos, Labão que era seu sogro, aceita prontamente a proposta.

Jacó, inspirado divinamente, coloca nos bebedouros e nas bicas de água, varas de álamo, aveleira e

castanheiro, descascadas de tal forma, que aparecia a parte clara dos caules em forma de listras, malhas,

etc.

“E concebia o rebanho diante das varas, e as ovelhas davam crias listradas, salpicadas e malhadas”.

Ou seja, ao beber água, a imagem das varas que não era focada conscientemente, ficava registrada nos

seus subconscientes repetidas vezes durante o dia.

Esses estímulos subliminares, eram remetidos diretamente ao ventre das fêmeas, interferindo na formação

genética dos embriões. Jacó, tornou-se desta forma, um dos homens mais prósperos da época.

Qual o objetivo de uma mensagem subliminar?

O objetivo maior das mensagens é de controlar sua mente. As inserções de imagens, palavras, ícones ou

idéias não podem ser percebidos pelo consumidor em um nível normal de consciência, portanto não lhe é

dada a opção de aceitar ou rejeitar a mensagem, como acontece com a propaganda normalmente. Isto fere

um princípio divino, chamado de livre arbítrio. Ou seja, Deus que é Deus, não obrigou o homem a seguir os

seus caminhos, antes, propôs-lhe que optasse ou pelo bem ou pelo mal. Você pode consultar as leis de

Moisés, que constituem ainda uma das bases do Direito até os dias de hoje. As sociedades modernas vivem

enganadas com a pseudo ilusão de que tem o controle de todas as coisas, e que todas as coisas podem ser

controladas. Tudo isso em verdade são fantasias, reforçadas inconscientemente através de um bombardeio

de mais de 100 mil fixações por dia.

Como funciona uma mensagem subliminar?

Subliminar Visual: As imagens são captadas pelos olhos, que fazem mais de 100 mil fixações conscientes
por dia. Numa fração de segundo esta imagem é invertida pelo nervo óptico e enviada ao cérebro
(hipotálamo) para ser processada. O núcleo desta área, exerce controle de atividades das mais importantes
do organismo, como o sono, temperatura do corpo, metabolismo da água, etc. Com o taquistoscópio
provou-se que o cérebro reage a imagens projetadas a uma velocidade de exposição de até 1/3000 de
segundo! Vale transcrever aqui a experiência sobre resposta emocional a imagens do Dr. Roger Sperry,
prêmio Nobel de Neurofisiologia e Anatomia de 1981.
A equipe de Sperry projetou uma fotografia de modelo despida da Playboy no campo visual esquerdo de um
paciente operado da secção do corpo caloso, órgão que une os 2 hemisférios do cérebro, a uma velocidade
altíssima, impossível de se verificar conscientemente. Lembramos que o nervo óptico é cruzado, ou seja, o
olho esquerdo envia informações ao hemisfério direito do cérebro. Estava provado, o paciente esboçou um
sorriso, sem entender o que estava realmente acontecendo, ao mesmo tempo em que os aparelhos
registravam alterações nos seus displays, provando a sua excitação.
Estudo de John C. Eccles (O conhecimento do Cérebro-EDUSP-SP-1979) sobre a obra de Roger Wolcott
Sperry, neurofisiologista norte-americano (Connecticut, 1913), que pesquisou as capacidades específicas
de cada um dos hemisférios cerebrais e mostrou que, na maioria dos destros, o direito está associado a
certas aptidões lingüísticas. De acordo com Eccles, a resposta do indivíduo à imagem erótica (eros=na
mitologia grega, deus do amor) teria entrado no complexo límbico (Teoria de McLean), em seguida ao
hipotálamo e, finalmente o sorriso no rosto…

VISÃO PERIFÉRICA
Os nossos olhos focam sempre o objeto principal das imagens, seja na TV, nos quadros, paisagens, etc. As
células responsáveis são chamadas de cones, responsáveis por um angulo de aproximadamente 20 graus
de visão central, enquanto que a maior parte de nosso mundo visual está na área que chamamos de visão
periférica realizada por células do tipo bastonete. Geralmente são estas imagens que são captadas a nível
subliminar, ou seja , são remetidas automaticamente ao nosso cérebro, a nossa mente, em nível
inconsciente, involuntário.
* O Taquistoscópio foi patenteado em 1962 pelo Dr. Hal Becker, um professor da Tulane University Medical
School, é um projetor de flashes usado em uma tela de cinema ou mesa de luz para projetar imagens ou
palavras em alta velocidade. Várias pesquisas demonstraram que a projeção de 1/3000 de segundo é a que
produz mais efeito no público

Onde estão as mensagens subliminares?

As mensagens subliminares estão em todo lugar. Como as mensagens subliminares, ou ocultas são
enxertadas ou inseridas na mídia em geral, de maneira tal que a percepção não seja consciente,
teoricamente elas estão, ou poderão estar em todo lugar sem que você perceba.
Imagens Embutidas
Existem varias técnicas subliminares, cada qual endereçada a órgãos dos sentidos específicos, sendo os
principais a visão e a audição. Os casos de imagens embutidas mais antigos nos levam até Leonardo da
Vinci, artista e sábio italiano (1452-1519) que muitas vezes utilizava a pintura para registrar cenas ou
traumas de sua infância. A primeira vista quando vemos um quadro, uma pintura ou uma foto não
percebemos conscientemente uma outra imagem que esta “embutida”, ou em segundo plano. Na figura 1
você vê uma moça de perfil, de chapéu, mas dificilmente vê uma velha.

Figura 1.O brinco da moça na realidade é o olho da velha, na imagem embutida.

Figura2.Mesmo sendo fã do anime “Dragon ball”

não posso deixar de fora essa imagem classica que com certeza muitos de vocês já viram

o 666 na lateral do carro onde esta Gohan é Videl.


Épor ai vai esse show de mensagens subliminares que nós fazem ter vontade de comprar é fazer coisas que não queremos.

Obrigado por lerem meu post é se gostaram divulgem =)

By:Rômulo Cezar.

Filmes trash

Posted in Artigos, Filmes trash, Uncategorized with tags , , , , , on 7 de junho de 2010 by romulocezarfm

A definição de filme trash ainda é muito discutível, mas em geral trata-se de filmes de baixo custo, ou que aparentam ser, usando de equipe ou material baratos. Muitas vezes são associados a filmes de terror, mas um filme (ou vídeo) trash é uma estética que pode ser usada em qualquer gênero.

Eventualmente são chamados de filmes trash as produções amadoras, usando-se de camcorders domésticas.

Os filmes trash fascinaram e amedrontaram uma nação,

qual de vocês nunca teve medo da menina do ‘’O Exorcista’’?

ou preferia ficar longe de bonecos depois de ver ‘’ Chuck o brinquedo assassino’’ eu fui assim e se você também foi leia esse post e saiba um pouco mais de filmes trash.

Vejam algumas curiosidades sobre esses filmes

Vou começar com o meu favorito e o filme que mais me amedrontou ate hoje “O exorcista”

O Exorcista (no original em inglês: The Exorcist) é um filme estadunidense de 1973, do gênero terror, realizado por william  Friedkin. O roteiro é de William Peter Blatty, baseado em livro homônimo de sua autoria. O filme aborda a possessão demoníaca de uma garota de 12 anos pelo demônio Pazuzu. O livro de Blatty teve inspiração em um exorcismo de um garoto de 14 anos de idade documentado em 1949.

O filme tornou-se um dos mais lucrativos filmes de terror de todos os tempos, arrecadando o equivalente a U$ 402.000.000,00 em todo o mundo. O Exorcista estreou dia 26 de dezembro de 1973 nos Estados Unidos e foi distribuído pela Warner Bros.

‘’Sexta feira 13’’ um clássico dos filmes trash às vezes chega até ser um pouco engraçado até hoje ninguém consegue explicar como o Jason andando consegue ultrapassar suas vitimas

Mais em fim vamos saber um pouco mais desse clássico.

Sexta-Feira 13 é uma longa série de filmes de horror dos EUA criada pelo diretor Sean S. Cunninghan, a série já contou com 11 filmes, sem contar com ‘’Freddy vs. Jason’’, e a franquia já lucrou no total mais de $500,000,000 de dólares.

O primeiro filme é de 1980. Todos os outros, exceto o primeiro e o quinto, estrelam Jason Voorhees como o assassino em série. O personagem acabou por se tornar um ícone dos filmes de horror.

Sexta-Feira 13 (Friday the 13th, no original) é o primeiro filme da extensa série de terror e slasher Sexta-Feira 13, feito em 1979 e lançado em 1980, dirigido por Sean S. Cunningham e escrito por Victor Miller. Surgiu no sucesso de Halloween de 1978, o filme teve um orçamento muito curto avaliado em $500 mil dólares e foi um grande sucesso em bilheterias ao lucrar $39,754,601 dólares ao redor do mundo.

Foi lançado com o intrigante lema: “They were warned. They were doomed. And on friday the 13th, nothing will save them”, em português: “Eles foram avisados. Eles estavam condenados. E na Sexta-Feira 13, nada os salvará”.

Falando em assassinos com atalhos secretos,

vamos falar de um louco que matou a sua família quando era apenas uma criança

Michael Myers o assassino de”Halloween”

Outro clássico dos filmes trash saiba mais sobre ele.

‘’Halloween’’ é um filme de horror lançado em 1978, escrito e dirigido por John Carpenter. O filme segue Michael Myers, um serial killer que foge de um hospital psiquiátrico no dia das bruxas. Com orçamento de US$325,000 e faturamento de US$47 milhões só nos EUA, Halloween deu origem a uma série e foi refilmado em 2007, com o título de Halloween – O Início.

Agora vamos falar de “Chuck o brinquedo assassino”

Particular mente ele nunca me deu medo, mas deu em muita gente

Alguns amigos meus sempre falam que tiveram medo desse carinha

De macacão azul e cabelo laranja que amedrontou crianças no mundo inteiro e amedronta ate hoje saibas algumas curiosidades sobre esse clássico dos filmes trash


Child’s Play
(Brinquedo Assassino –  Chuck – O Boneco Diabólico) é um filme de 1988, do gênero terror, dirigido por Tom Holland.

Brinquedo Assassino é o primeiro de uma série de filmes de terror, muito famosa e de muito sucesso no mundo todo.

Na primeira sequência de Child’s Play o mesmo assunto se repete: o boneco maligno tenta passar sua alma para o garoto Andy Barclay, que agora sabe de seu segredo; no terceiro filme, entretanto, o boneco, em sua busca desesperada por Andy, revela seu nome para outra criança, o aspirante militar Ronald Tyler, que, por mero acaso, é amigo de Andy.

Charles Lee Ray, nome completo do personagem Chucky, deriva dos nomes dos notórios assassinos Charles Manson, Lee Harvey Oswald e James Earl Ray.

O diretor Tom Holland e o ator Chris Sarandon já haviam trabalhados juntos anteriormente em outro filme de terror de sucesso, Fright Night (no Brasil, A Hora do Espanto), no qual Sarandon faz o papel de um vampiro.

Pra encerar vamos falar dele que não pode ser lembrado

Freddy Krueger o bastardo de 100 homens.

“A hora do pesadelo”

A Nightmare on Elm Street ( A Hora do Pesadelo /  Pesadelo em Elm Street) é um filme norte-americano de 1984, do gênero terror, dirigido e escrito por Wes Craven, foi o primeiro filme da franquia A Hora do Pesadelo. O filme apresenta John Saxon, Heather Langenkamp, Ronee Blakley, Amanda Wyss, Jsu Garcia, Robert Englund e Johnny Depp em sua estreia no cinema. A história se passa na cidade fictícia de Springwood, Ohio e o enredo gira em torno de um grupo de adolescentes que são aterrorizados em seus pesadelos pelo fantasma de um psicopata assassino de crianças chamado Freddy Krueger.

Wes Craven produziu A Nightmare on Elm Street com um orçamento estimado de apenas 1,8 milhão de dólares, investimento que o filme arrecadou na sua primeira semana de exibição nos cinemas. Ao todo, o filme conseguiu arrecadar 25,5 milhões de dólares nas bilheterias americanas. A Nightmare on Elm Street se tornou um dos filmes de terror mais populares do gênero e criou um dos vilões (Freddy Krueger) mais reconhecidos da história do cinema.

É isso ai pessoal gostaram do post?

Espero que vocês tenham gostado quem,gostou comenta lá blz.

Velau pessoal até a próxima.

By:Rômulo Cezar Figueirêdo Matos.